facebook 19
twitter 19
andes3

WEBprofpg8Professor Carlos Pedreira, da Coppe - Foto: DivulgaçãoAs crianças do Instituto de Puericultura e Pediatria Martagão Gesteira (IPPMG) recebem o que há de mais moderno no mundo em tratamento de câncer. E a tecnologia para isto foi desenvolvida pela própria UFRJ. A doença já é a principal causa de morte infantil no Brasil. Quanto mais cedo for diagnosticada, menor o risco para os pacientes. Professores e pesquisadores se empenham dia e noite para acelerar a identificação desses tumores.
“Há estudos que indicam que um paciente com câncer, em média, passa por quatro serviços de saúde diferentes. É uma peregrinação. Com essa ferramenta, nós conseguimos, em pouco tempo, dar o diagnóstico e iniciar o tratamento mais adequado”, explica a professora Elaine Sobral, do Departamento de Pediatria. “Os cânceres infantis respondem mais rápido ao tratamento, mas crescem com velocidade muito maior. Um diagnóstico rápido ajuda a preservar muitas vidas”.
A docente conta que o resultado do exame fica pronto cerca de três horas depois de a amostra chegar ao laboratório. Ela coordena o trabalho no Laboratório de Citometria de Fluxo do hospital infantil e é parceira de Carlos Eduardo Pedreira, da Coppe, nas pesquisas relacionadas à área. Pedreira, aliás, vive momentos virtuosos. Seus modelos matemáticos hoje são aplicados em cerca de 3 mil laboratórios de todo o mundo.
Professor do Programa de Engenharia e Sistemas de Computação, ele criou um método que alia inteligência artificial e mineração de dados para tornar o diagnóstico mais rápido e preciso. A iniciativa já tem dez anos, e transformou Pedreira numa referência internacional. Seus modelos matemáticos estão no coração do software Infinicyt, fabricado na Europa em parceria com a UFRJ.
O objetivo do modelo é identificar qual dos vários tipos de linfomas ou leucemias um determinado paciente tem. Outra aplicação é encontrar doença residual em pessoas que foram tratadas. “Nesse caso é preciso encontrar vinte ou trinta células doentes ‘perdidas’ em um mar de vários milhões de células normais”, esclarece.
O pesquisador é pioneiro. “Em 1991, publiquei com um aluno de mestrado o artigo Optimal Schedule for Cancer Chemoterapy (Programação Ótima para Quimioterapia de Câncer), no jornal Mathematical Programming. Talvez uma das primeiras publicações no mundo em métodos matemáticos aplicados a câncer”, relembra.
Em 2002, veio a cooperação com a Universidade de Salamanca, na Espanha. A instituição é uma das 14 universidades do consórcio EuroFlow – a UFRJ é a única de fora da Europa a participar do grupo. O consórcio atua no desenvolvimento e aprimoramento do software. “Essa parte de computação e modelagem matemática partiu e em grande parte é desenvolvida por nós, na Coppe”, orgulha-se.
Ao longo dos anos, a ferramenta ganhou mais destaque com o aumento da complexidade dos aparelhos de diagnóstico. “Os citômetros mais modernos têm a capacidade de gerar uma enorme massa de informações. Esses dados precisam ser processados de modo inteligente para gerar informação útil”, explica o docente.
webprofessoraProfessora Elaine Sobral, do IPPMG - Foto: Silvana Sá Para se ter uma ideia, o citômetro de fluxo tem capacidade de gerar de 20 a 30 informações de cada célula analisada. O número de células necessárias para um exame varia de 10 mil a dois milhões.
O pesquisador destaca o diferencial de seus modelos: “Recebo as demandas e as críticas dos parceiros médicos diretamente. O objetivo o tempo todo é colocar em uso no mundo real o que estamos fazendo”, afirma.
É justamente daí que vem sua motivação. “Como pesquisador, minha maior satisfação não vem de meus artigos, mas de saber que o que faço está ajudando pessoas. É muito bom saber que o trabalho da gente faz diferença”.
Hoje, o laboratório consegue precisar 90% dos tipos de tumores em poucas horas. A análise clínica comum leva de uma semana a um mês. “Os dados nos dão subsídio seguro para começarmos o tratamento direcionado”, afirma Elaine Sobral. “Ter uma ferramenta que nos subsidia para uma indicação mais precisa de tratamento é maravilhoso”, conclui.

Topo