Isabella de Oliveira

isabella@adufrj.org.br

Falar mais pausadamente, apresentar-se com nome e sobrenome, perguntar como é possível ajudar. Medidas simples, mas que fazem muita diferença quando o interlocutor não enxerga, por exemplo. Essas foram algumas das orientações divulgadas para professores e técnicos no I Encontro de Sensibilização UFRJ pela Acessibilidade, dia 16, no auditório Quinhentão (CCS).

O evento ganhou especial importância, pois foi neste semestre que começaram as aulas das primeiras turmas com vagas reservadas para pessoas com deficiência nas universidades federais. De acordo com Verônica de Andrade Mattoso, professora da Gastronomia e integrante do fórum que organizou o encontro, “a acessibilidade é fundamental quando pensamos o sonho de todos os seres humanos por uma sociedade de fato inclusiva e sustentável”. Ela explicou que a atividade se propôs a debater o que pode ser feito, na comunicação e nas atitudes das pessoas, para melhorar o convívio no meio acadêmico: “São as questões que as pessoas portadoras de deficiência mais reclamam”, disse.

Para Antônio Borges, professor do Núcleo de Computação Eletrônica, compreender cada limitação é fundamental nesse processo de inclusão. “Para pessoas surdas, é como se comunicar; para o deficiente físico, a demanda é por rampas, banheiro com porta larga, adaptações no transporte. São problemas, mas todos têm solução”, pontuou.

Maria Fernanda Quintela da Costa Antunes, decana do CCS, expôs as dificuldades financeiras da universidade para ampliar a inclusão: “Quando eu comecei como gestora, nosso escritório de planejamento me mostrou um projeto fantástico que tornaria acessível todo esse prédio”, afirmou. A falta de dinheiro inviabilizou a iniciativa. “Por mais que tenhamos batalhado, não conseguimos implementar nada, a não ser a rampa do auditório”, lamentou.

Marcos Felipe, cego, casado com uma professora da UFRJ, participou do evento: “Eu estou vendo uma mudança muito grande nessa universidade. Vai haver uma transição. As pessoas ainda não sabem como acolher quem tem deficiência”.

 

ADICIONAR COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

(*)

(*)