- Adufrj - http://www.adufrj.org.br -

Querem apagar a UFRJ

luz site

Querem apagar a UFRJ

Light corta luz da reitoria e interrompe aulas da Escola de Belas Artes e da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Pesquisas também estão ameaçadas

Matéria atualizada em 30/11 

Silvana Sá                   
silvana@adufrj.org.br

A Light cortou a luz do prédio da reitoria da UFRJ por volta das 10h do dia 29. A empresa justificou a medida pela falta de pagamento das faturas de junho a novembro. São aproximadamente R$ 18 milhões de débito, no total.

O desligamento prejudicou o funcionamento do gabinete do reitor, da Procuradoria da universidade e do Sistema de Tecnologia da Informação e Comunicação. Também forçou nova suspensão das atividades acadêmicas da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, da Escola de Belas Artes e do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional, unidades que já sofreram atrasos no calendário letivo deste ano por conta do incêndio no último andar do edifício, no início de outubro. As aulas só serão retomadas após o restabelecimento da energia.

À prefeitura da UFRJ, a companhia teria ameaçado deixar no escuro outros locais, como a Escola de Educação Física e Desportos e a Prefeitura Universitária. O que pode acabar com o esforço de anos de pesquisa. “Os impactos na Educação Física são perda de biotérios e prejuízos acadêmicos pela falta de aulas. No caso da (subestação da) Prefeitura, apaga também o CT 2 e toda a iluminação pública do Fundão”, diz Paulo Mário Ripper, prefeito dos campi. A assessoria de imprensa da Light, no entanto, só confirma o corte de energia para a parte administrativa da universidade, no Fundão.

Mas se o apagão ocorrer, o prefeito universitário não vê outra solução: “Vou ter que fechar o campus. Sem luz, não tenho como garantir a segurança das pessoas. A Light vai fechar a maior universidade do país”. 

A reitoria recebeu a notícia com espanto. “Foi uma reação intempestiva da empresa. No dia 28, pagamos o que restava de junho, seguíamos em negociação. Estamos indignados”, disse Roberto Gambine, pró-reitor de Planejamento, Desenvolvimento e Finanças. Gambine não tem ideia de quando a energia será normalizada no prédio da reitoria. “Estamos em negociação, mas a próxima liberação de recursos para a universidade só acontece em dezembro. Antes disso, não temos o que fazer quanto a novos pagamentos”. 


Em nota divulgada no site da UFRJ, a reitoria informa que busca, na Justiça Federal, o imediato restabelecimento do fornecimento da energia. O modo de agir da empresa é considerado “antirrepublicano e antiético”. Além disso, afirma que serão intensificadas negociações junto ao MEC para liberação de recursos.

 *colaborou Jan Niklas Jenkner