Kelvin Melo

kelvin@adufrj.org.br

 

A Campanha Conhecimento sem Cortes vai ganhar o reforço de mais um “tesourômetro”, em Belo Horizonte (MG), na próxima semana. O novo contador digital da redução de orçamento da Educação e da Ciência será inaugurado no campus da Universidade Federal de Minas Gerais, no dia 18. O painel mostra perdas de R$ 500 mil por hora no setor, desde 2015. A cifra total já ultrapassa os R$ 11,4 bilhões.

A UFMG não foi escolhida à toa para a instalação da segunda unidade do “tesourômetro”. O Sindicato dos Professores de Universidades Federais de Belo Horizonte, Montes Claros e Ouro Branco (Apubh) é uma das entidades parceiras da Adufrj na criação da campanha. Além disso, aquela universidade vai receber, a partir do dia 16, a 69ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência — o maior evento científico da América Latina.

A SBPC abriu espaço na sua programação para um debate sobre os cortes, com o tema “As universidades e os professores diante da crise brasileira”, no dia 18, às 13h, com a presença da presidente da Adufrj, Tatiana Roque. Em seguida, haverá a apresentação do novo “tesourômetro”.

A companha #ConhecimentoSemCortes nasceu da necessidade de alertar a sociedade para os problemas financeiros pelos quais passam as instituições de ensino superior e pesquisa por conta da falta de recursos. “Se os cortes atuais não forem suspensos, corremos o risco de que pesquisas de enorme relevância para a sociedade brasileira sejam interrompidas”, afirma Tatiana Roque, presidente da Adufrj. “Algumas Nações mostraram ao longo do tempo que investir continuamente em educação, saúde, ciência e tecnologia é uma opção viável e segura para vencer as dificuldades”, reforça Carlos Barreira Martinez, presidente da Apubh.

A exposição do problema em números começou no dia 22 de junho, quando foi lançado o primeiro “tesourômetro” no campus da UFRJ da Praia Vermelha. Além disso, os docentes da UFRJ colocaram no ar um site com os dados detalhados dos cortes – www.conhecimentosemcortes.com.br – e iniciaram uma petição online. O objetivo é reunir 20 mil assinaturas pela retomada dos investimentos nas universidades no patamar registrado em 2014, assegurar a continuidade do pagamento das bolsas de estudo e permanência. Também é exigida a retirada da Educação e da Saúde do teto de gastos fixado por meio da Emenda Constitucional 95, aprovada em 2016.

Próxima escala: Brasília

Está nos planos da campanha instalar uma terceira unidade do “Tesourômetro” em Brasília, uma vez que o sindicato de professores da UnB também está envolvido na iniciativa. Desta forma, os organizadores pretendem aumentar a pressão sobre os parlamentares federais quanto à necessidade de preservar os recursos que alimentam a pesquisa e o desenvolvimento brasileiros. Isso ocorreria justamente no momento em que o Congresso Nacional inicia o debate sobre a Lei Orçamentária para 2018.

Cálculo do tesourômetro

O professor e economista Carlos Frederico Leão Rocha, vice-presidente da Adufrj, explica como é calculado o número exposto no “tesourômetro”. São consideradas as verbas do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e das universidades federais. Na Lei Orçamentária de 2015, estes setores deveriam receber R$ 26,7 bilhões. Em 2016, o valor era de R$ 17,5 bilhões. Em 2017, já contabilizando os contingenciamentos anunciados pelo governo, o orçamento previsto caiu para R$ 13,3 bilhões. As diferenças do ano atual e do ano passado em relação a 2015 foram aplicadas ao intervalo de tempo para fazer girar o contador eletrônico: “Em apenas dois anos, perdemos 50% dos valores de custeio e investimento”, afirma o diretor da Adufrj.

 

ADICIONAR COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

(*)

(*)